terça-feira, 26 de abril de 2011

A MAGIA:



Segundo a Cabala, tudo no Universo é unido por um laço mágico. O exterior é a expansão do interior; coisas inferiores trazem o sigilo das superiores. Como o superior e o inferior influem sobre o inferior e o exterior e exterior, também há influência inversa, isto é, o ser inferior e externo pode agir magicamente sobre o que está acima e no interior, assimilando a sua força total e seus poderes.
Quando o homem procura a união espiritual com o que é Divino, com o que é Superior e Bom, pratica a magia branca. Para esse fim, serve-se da prece e da meditação, acompanhadas de certas cerimônias que auxiliam a concentração da idéia e da vontade.
Quem, porém, utiliza as forças invisíveis para fazer algum mal, exerce a magia negra, que é condenável, porque os demônios que ajudam o mago negro na execução das suas práticas abomináveis, conduzem-no à perdição.
Menos condenável do que a magia negra (Maaseh Khishuph) é a magia natural (Maaseh Shedim), que evoca e conjura os elementais, servindo-se deles para certos fins.
Toda magia depende, na maior parte, da força espiritual e da firmeza de vontade. Todos os homens são dotados de clarividência e de faculdades mágicas, porém em graus muito diferentes.
Geralmente, ficam essas forças latentes, porque não são cultivadas. Cada ato mágico pressupõe uma certa intenção forte e firme, para atrair a influência dos espíritos superiores; além disto, é necessário ter viva imaginação, para que as impressões das esferas invisíveis se gravem profundamente na alma.

O mago há de identificar-se com o objeto da sua meditação; por isso, há de ser calmo, livre de paixões e desejos, condições estas que se encontra na solidão e no isolamento.

O homem que vive espiritualmente, libertando-se do domínio dos sentidos externos, pode entrar em comunicação com as esferas interiores do Universo e ali ver o passado e o futuro.

Conforme a Cabala, cada ação deixa no éter um vestígio, uma imagem, e é por meio destas imagens astrais que o clarividente pode descobrir o passado. Do futuro pode ver só aquilo que lhe mostram as correntes fluídicas que fluem do passado e do presente para prepararem os acontecimentos vindouros.

Entretanto, toda faculdade clarividente tem seus limites, que dependem da evolução espiritual do experimentador. Os acontecimentos futuros que dependem da livre vontade de uma criatura ou da decisão da Providência, são conhecidos somente pela Divindade, que os pode anunciar aos profetas.

O mundo intelectual é formado por uma hierarquia de seres de inumeráveis graus, tendo todos a sua origem em Deus, e são tanto mais espirituais, quanto mais aproximados da sua fonte divina.

A providência manifesta-se subjetivamente, penetrando toda a criação e dando vida a tudo, e objetivamente, permanecendo em sua Essência, fora da criação, a que se revela gradualmente.

As revelações divinas passam por toda a hierarquia de seres, e as criaturas de certo grau compreendem delas só aquilo que os graus superiores lhes transmitem.

As revelações que se referem a acontecimentos desagradáveis, chegam aos seres espirituais destinados a executar as ordens, e estes podem avisar os homens em sonho, principalmente quando a hora da execução está próxima.

A Cabala conhece as comunicações com os mortos (doreh ha methim). É proibido evocá-los (o que constitui a necromancia), mas o mago pode entrar em união com as almas dos mortos por meio de jejum, prece e fumigações, passando a noite entre os sepulcros.

O mago pode também entrar em comunicação com os espíritos superiores da natureza (Sarim), para receber deles instruções e sabedoria. Para este fim é necessário passar por uma preparação mística, isolar-se do mundo e, com o auxílio do sagrado Tetragrama, entrar em estado de inspiração mediúnica.

A Cabala conhece as curas mágicas ou magnéticas, a influência dos astros e dos talismãs, os fenômenos hipnóticos, a licantropia (os lobisomens) e o sabbath das bruxas.

Como já dissemos, todas as práticas da magia negra são condenadas; porque o Homem deve colaborar na Obra da Luz e do Amor, ser mago branco. A magia branca espiritualiza o homem e eleva-o à Divindade.

Quando Nephesh e Ruach estão devidamente purificados, pode o seu Neshamah (espírito) entrar em união com os anjos e com o mundo Divino, receber deles revelações e fortalecer-se magicamente.

O último grau da sagrada magia branca é a união com a Divindade, a espiritualização de tudo o que, no homem, é material e terreno.


Extraído: Cabala - A Tradição Esotérica do Ocidente - F. V. Lorenz

Um comentário:

Marcel disse...

A Magia neste caso envolve o Sistema Cabalístico.
Uma observação interesante.
Quantos sistemas modernos de magia existem hoje em dia?